PMG ARQUITETANDO POR AÍ

PMG ARQUITETANDO POR AÍ
A PMG É O RESULTADO DA UNIÃO DE TRÊS PROFISSIONAIS APAIXONADAS POR CRIAR E TRANSFORMAR ROTINAS, SEMPRE VISANDO A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS SEUS CLIENTES. PARA TANTO, ATUAM NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS, REESTRUTURAM ESPAÇOS, CHEGANDO ATÉ À ORGANIZAÇÃO DOS MESMOS. UTILIZANDO CONHECIMENTOS ARQUITETÔNICOS ALIADOS ÀS TÉCNICAS DE ORGANIZAÇÃO RESIDENCIAL, COMERCIAL, TREINAMENTO DE DOMÉSTICAS E ORGANIZAÇÃO DE MUDANÇAS, SE DISPÕEM A MELHORAR OS SEUS DIAS COM UM CUSTO BEM ABAIXO DO IMAGINADO. SEJA QUAL FOR O TAMANHO DA SUA NECESSIDADE, ENTRE E CONHEÇA UM POUCO DO QUE ELAS SÃO CAPAZES. AQUI, Patricia, Marília E Gabrielle COMPARTILHAM DICAS E DIVULGAM OS SEUS CONTATOS...

30/04/2017

REFLEXÃO PARA O DIA DO TRABALHO


"...a gente só precisa tentar ser a nossa melhor versão."
Ruth Manus




Sabe aquela amiga, geograficamente, distante que já fez parte da sua rotina diária? Aquela que, apesar de longe, continua em sintonia com você? Também tenho uma. E foi às vésperas do final de semana prolongado por conta do Dia do Trabalho, que ela compartilhou o texto abaixo. Sintomas semelhantes, doenças parecidas, mesmos remédios. Não entenderam? Então, confiram o texto simples e objetivo de Ruth Manus. Amei o presente, Cláudia Magalhães Eloy! Saudade de você... 




Trabalhei muito, dormi pouco, comi mal e me sinto diariamente culpado

POR RUTH MANUS

26/04/2017, 09h56

Até quando nos julgaremos tão devedores de nós mesmos? 

Comecei o dia furiosa comigo porque não fui à academia. Era para eu ter acordado mais cedo, enfiado aquele legging e corrido 5km. Não consegui, não fiz nada disso. Enfiei uma fatia de pão na torradeira e me culpei por ter colocado um pouco de manteiga ao invés de uma ricota magra sem sal.
Olhei para a minha agenda e direcionei o olhar diretamente para todas as pendências. Documentos que não enviei, faturas que não emiti, contratos que não revisei, e-mails que não respondi, ligações que não retornei. Não fazia nem meia hora que eu estava acordada e eu já era uma lamentável devoradora de mim mesma.
Entrei no banho com a cabeça acelerada e uma dose semi invisível de raiva de mim mesma porque eu nunca consigo cumprir minhas metas intermináveis. Parecia que eu não havia feito nada na véspera, quando, na verdade, fiz muito. Percebi que havia algo de muito errado nisso e disparei mensagens nos meus grupos de amigos perguntando se eles sentiam a mesma coisa.
As respostas foram unânimes: todos se sentem absolutamente devedores de si mesmos. Entramos numa lógica cruel que funciona mais ou menos assim: praticamente não importa o que a gente faz de bom, só importa aquilo que ficou faltando. Tudo o que ficou faltando, grita dentro da nossa cabeça como se estivesse escrito em caixa alta. 
Hoje eu trabalhei muito. MAS NÃO FUI À ACADEMIA. Hoje fui à academia. MAS COMI AQUELAS PORCARIAS NO ALMOÇO. Hoje eu comi bem. MAS NÃO ENTREGUEI O RELATÓRIO. Hoje eu terminei o relatório. MAS NÃO LIGUEI PARA A MINHA AVÓ. Hoje eu falei com a minha avó. MAS NÃO RESOLVI AQUELAS COISAS DO BANCO. Hoje eu fui ao banco. MAS ACABEI TRABALHANDO POUCO. Hoje trabalhei muito. MAS DORMI POUCO. Hoje dormi bem. MAS ACORDEI TARDE.
Começa a dar uma certa falta de ar, uma angústia que se instala entre o estômago e a garganta e que nos diz que somos pouco, que fazemos pouco, que concretizamos pouco. É como se nós fôssemos chefes de nós mesmos - e aqueles chefes da pior espécie, que não reconhecem os trabalhos bem feitos e as tarefas finalizadas, mas apenas o que ficou pendente. Um chefe que berra palavras de frustração na nossa orelha e que em nada contribui para melhorarmos.
Temos muita coisa pra fazer, não tem jeito. E talvez o pior não seja o fato de termos tudo isso, mas sim o fato de lidarmos tão mal com a nossa rotina e com a finitude da nossa capacidade. Não me parece que a solução seja sempre a de nos esquivarmos das tarefas (embora às vezes seja necessário). O que me parece necessário é pararmos de sentir tanta culpa. Não somos máquinas e nunca funcionaremos com perfeição. 
Precisamos parar de nos comparar com a amiga que posta foto na academia às 6 da manhã. Com o primo que milagrosamente consegue ser o filho perfeito. Com a vizinha que tem uma casa impecável. Com a colega que nunca sai da linha na alimentação. Com aquele casal de pais que parecem nunca errar. Com a amiga que está sempre vestida como capa de revista.
Acho que a gente só precisa tentar ser a nossa melhor versão. E a nossa melhor versão não vive nesses picos de stress, nem com essa angústia instalada. Temos que ser mais compreenssivos com as nossas pequenas grandes falhas. Deveríamos reservar a caixa alta para tudo que foi feito e não o que ficou faltando. Porque não parece justo que sejamos justamente nós aqueles que são mais crueis e mais duros conosco





Fonte imagem: GOOGLE
Fonte artigo: http://emais.estadao.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário...